Tiago Marques | Redação 96FM

De asas caídas, o Beija-Flor do Sertão está enfrentando dificuldades para se manter competitivo no cenário do futebol profissional baiano. O jovem clube que subiu para a série A do Campeonato Baiano em 2015, fez um boa campanha na sua estreia na elite do futebol do estado em 2016, finalizando em 7º lugar e ainda derrotando o poderoso Vitória por 1 a 0 no estádio Dois de Julho pelo jogo de ida das quartas de finais, sendo eliminado ao perder por 3 a 0 em Salvador em um jogo que envolveu uma polêmica com o registro do jogador Victor Ramos.

Thiago Dantas, um dos diretores do clube falou à reportagem da 96FM nesta quarta-feira (19), ele relatou que o clube encontra dificuldades para conseguir patrocínio e disputar a competição que começa em janeiro de 2017. Segundo Dantas, após o fechamento das contas pós campeonato este ano, o clube ficou com deficit financeiro, o que obrigou os dirigentes a injetarem dinheiro para cumprir os compromissos.

O clube teve vários patrocinadores em 2016, mas mesmo assim ficou no vermelho. Eles conseguiram uma receita de pouco mais de R$400 mil de patrocínios e bilheteria, para uma despesa de quase R$600 mil com salários e custos operacionais, um prejuízo de quase R$190 mil que foi bancado pelos dirigentes. Thiago disse ainda que este prejuízo vem acontecendo desde quando o clube se profissionalizou, no entanto “foi encarado como investimento até aqui, mas está sendo inviável manter o clube e reverter esta situação”.

Para agravar a situação o Flamengo de Guanambi não deverá contar com um de seus patrocinadores master, uma distribuidora de bebidas que não irá renovar o contrato, uma vez que a fabrica irá patrocinar o campeonato do  ano que vem, expondo a marca de sua cerveja nas placas publicitárias dos estádios e demais espaços. Outro impasse até agora é em relação ao apoio dado pela prefeitura que em 2016 foi de R$100 mil, com a mudança na gestão e com as dificuldades enfrentadas pelo poder público, ainda não ficou definido quanto será investido no clube a título de patrocínio no ano que vem. Para o último campeonato a prefeitura investiu ainda quase R$1 milhão na reforma do Estádio Dois de Julho, no entanto ainda é uma incógnita o tamanho do apoio que o time vai ter do poder público em 2017.

Os dirigentes do clube já cogitaram a renuncia de seus cargos e a transferência do clube para outro grupo, o que deve proporcionar a mudança do nome do time e até mesmo a mudança de município de sua sede. “Ainda não desistimos, esperamos conseguir o  apoio da cidade mais uma vez. Se não conseguirmos viabilizar existe a possibilidade do clube ir embora da cidade, se isso acontecer provavelmente não voltará mais”, lamentou Thiago.

O clube não disputou mais jogos depois do fim do Campeonato Baiano, o Flamengo de Guanambi não quis disputar a Taça Governador do Estado por conta da troca do gramado do estádio e também pelo planejamento de economizar para entrar mais forte em 2017, o que está sendo difícil acontecer. Um dos maiores patrimônios que o clube conquistou nestes poucos anos de vida foi uma torcida apaixonada, ainda pequena mas suficiente para lotar o modesto Dois de Julho.

Relembre toda a trajetória do Flamengo de Guanambi em 2015 e 2016.

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui