Justiça concedeu liberdade provisória ao ex-ministro Henrique Alves, que cumpria prisão domiciliar em Natal (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O juiz Francisco Eduardo Guimarães Farias, titular da 14ª Vara da Justiça Federal no Rio Grande do Norte, concedeu hoje (13) liberdade provisória ao ex-ministro Henrique Eduardo Alves, que cumpria prisão domiciliar em Natal.

O ex-ministro é réu no processo da Operação Manus, onde constam denúncias de organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

O juiz, na sua decisão, estendeu a Henrique Alves os efeitos da decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello, que concedeu habeas corpus ao réu Eduardo Cunha no mesmo processo.

Colabore

Se você gosta do conteúdo da Agência Sertão, colabore para o aprimoramento do nosso Jornalismo a partir de R$ 10 por mês e ganhe recompensas exclusivas, saiba mais!

O advogado Marcelo Leal, que defende o ex-ministro, está neste momento na 14ª Vara da Justiça Federal, em Natal, onde ocorre o último ato de instrução do processo com o interrogatório de Eduardo Cunha. Ele disse, por meio de nota, que a decisão da Justiça Federal atesta a inocência de Henrique Alves.

“A liberdade de Henrique é o coroamento de um processo em que até mesmo as testemunhas de acusação e os delatores premiados atestaram a inocência de Henrique Alves. O processo está no final. Hoje será ouvido o interrogatório do último réu, Eduardo Cunha. Depois disso, vem a fase de requerimento de diligências, alegações finais e sentença. Estou convicto disso. Foram ouvidas quase 100 testemunhas neste processo e todas, absolutamente todas, confirmam a inocência de Henrique!”, finalizou.

Fonte: Aécio Amado – Repórter da Agência Brasil

Deixe uma resposta