30.7 C
Guanambi
24 C
Vitória da Conquista

Túmulo de Joaquim Dias Guimarães vira Patrimônio Histórico do Município de Guanambi

9,060FãsCurtir
15,413SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
823InscritosInscrever

Últimas Notícias

Mais Lidas

Advertisement

Foi publicado no Diário Oficial do Município de Guanambi, desta segunda-feira (28), a lei Nº 1.235 de 14 de maio de 2019. Essa lei dispõe sobre o tombamento do túmulo de Joaquim Dias Guimarães, instalado no imóvel localizado à Rua Sete de Setembro, 151, Centro de Guanambi, e estabelece outras providências.

O túmulo foi correspondido como Patrimônio Histórico do Município de Guanambi, conforme Lei Municipal nº 223, de 04 de dezembro de 2007. A partir da publicação desta segunda, o Poder Executivo cancelará qualquer licença concedida para executar modificações, reformas e eventuais alterações na obra, exigindo do proprietário ou ocupante do imóvel a suspensão de quaisquer iniciativas a serem realizadas que descaracterizem o projeto original.

De acordo com a publicação, em caso de eventual venda do imóvel, o Município de Guanambi terá preferência sobre a aquisição da unidade imobiliária, ou, da respectiva fração que se encontra o túmulo de Joaquim Dias Guimarães, ficando o proprietário obrigado a reduzir a termo sua preferência e protocolar a administração municipal para apreciação.

Conforme a lei, o Município poderá integrar os feitos de forma colaborativa para restauração, inclusive mediante aplicação de recursos financeiros, com o objetivo de conformação do projeto original do túmulo.

Ainda de acordo com a lei, fica garantida a participação de instituições e entidades ligadas a área de pesquisa histórico-cultural no desenvolvimento do projeto de restauração e revitalização do Túmulo, sendo permitida adaptações na edificação para adequações que visem sua melhoria e conservação, desde que não haja perda da harmonia da construção original.

- Advertisement -

Segundo pesquisadores que estudam a história de Guanambi, Joaquim Dias Guimarães era o proprietário da fazenda denominada Carnaíba de Dentro, no século XIX. Após sua morte, o terreno ocupado foi doado à paróquia de Santo Antônio, em 8 de maio de 1870. Dessa forma, deu-se início ao Arraial Beija-flor. Este se desenvolveu e se tornou o atual município de Guanambi – nome indígena que significa beija-flor.

Em 1994 foi criada a Fundação Joaquim Dias Guimarães, instalada provisoriamente na Avenida Barão do Rio Branco em Guanambi à época, mas recebeu a sede definitiva na Rua Humberto de Campos, 130, no centro da cidade.

A Fundação tem a missão de pesquisar, resgatar, preservar e divulgar os aspectos históricos, culturais e folclóricos de Guanambi, além de promover atividades culturais, educacionais e assistenciais. A entidade possui um museu com um acervo, pertencente ao fazendeiro Joaquim Dias Guimarães, mas que foi ampliado ao longo dos anos por doações de muitos colaboradores, a exemplo do professor e escritor Elísio Cardoso Guimarães e do artista plástico, escultor, escritor e poeta Vagner Moraes (ambos falecidos), sócios fundadores da entidade.

O processo de tombamento do túmulo revela a importância que Joaquim Dias Guimarães  tem para história cultural, artística e urbana da cidade de Guanambi. O artigo 23 da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, determina que é competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios – proteger os documentos, obras e outros bens de valor histórico, artístico e cultural, além de impedir a evasão, a destruição e a descaracterização de obras de arte e de outros bens de valor histórico, artístico ou cultural.

Política Administração Pública Túmulo de Joaquim Dias Guimarães vira Patrimônio Histórico do Município de Guanambi

Deixe uma resposta

Relacionadas