Agência Sertão

Irmãs que foram detidas na noite da última sexta-feira (25) após retirar o tubo que mantinha vivo o irmão Almiro Pereira Neves, de 43 anos, tiveram prisão preventiva decretada pelo juiz platonista Almir Edson Lélis Lima de Guanambi. 

O caso teve grande repercussão no estado, pois, as irmãs desligaram o aparelho sem consentimento médico ou judicial. Os aparelhos mantinham vivo a vitima, desde 21 de outubro, no Hospital Regional de Guanambi (HRG). Almiro foi diagnosticado com hemorragia subaracnóidea; Etilismo; pneumonia aspirativa.

A diretora do HRG, Paula Melo,  relatou o fato para o site Folha do Vale – “Eles chegaram à unidade de saúde para visitar o irmão por volta das 21h, como o estado do paciente era grave foi autorizado à entrada, infelizmente, eles tiveram essa conduta no ato da visita”.

De inicio, o trio teve prisão em flagrante decretada, no entanto, o juiz plantonista Almir Edson Lélis Lima converteu o auto de prisão em flagrante das irmãs Zelita e Marliete Pereira Neves, em prisão preventiva.

O irmão Márcio Pereira Neves, de 29 anos, não foi acusado de participar do crime e foi apenas ouvido e liberado. E as irmãs são acusadas de homicídio doloso

De acordo com o magistrado, em sua decisão todos os depoimentos dos autos, inclusive das acusadas, demonstramos a presença dos indícios de autoria e prova material do grave crime de homicídio de natureza dolosa. As irmãs já foram intimidas da decisão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui