Foto: Arquivo Pessoal

O estudante João Pedro Silva Bonfim, de 19 anos, é o dono da única nota 1.000 na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) da Bahia. O jovem mora na cidade Vitória da Conquista e sonha em cursar medicina na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb).

O Enem 2019 registrou 395.438 mil inscritos na Bahia, conforme divulgou o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pelo exame.

Em todo o país, dos 5.095.382 de inscritos, apenas 53 obtiveram nota 1 mil na redação, de acordo com um balanço divulgado pelo Inep. Na edição anterior (2018), dos 5.513.662 inscritos, houve 55 redações com a avaliação máxima. A última edição (2019) teve o menor registro de inscrições confirmadas desde 2010.

Em entrevista ao G1, o conquistense nota 1.000 destacou que realizou a prova do Enem em outras três edições. “Foi a quarta vez que fiz o Enem, mas foi a segunda valendo, porque nas duas primeiras vezes eu ainda não podia me inscrever em cursos. Eu terminei o ensino médio em 2018, mas não consegui ser aprovado no curso que eu queria, aí eu fiz de novo em 2019”, disse João Pedro.

Ainda ao site, João Pedro disse que sempre gostou de estudar e que apesar de tirar 980 na redação do Enem em 2018, fez um curso específico no ano passado e se preparou melhor.

Ao ser perguntado sobre as dificuldades que encontrou na prova de redação, João Pedro disse que o tema foi mais difícil que o de 2018: “Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet”.

“Por ter estudado mais em 2019, achei o tema mais tranquilo para escrever. Foi um tema bem mais restrito do que o do ano passado, mas eu não tive tantas dificuldades, porque me preparei melhor. Foi um tema mais difícil, mas eu me senti melhor para fazer”, contou João Pedro.

O tema da redação do Enem 2019 foi “Democratização do acesso ao cinema no Brasil”. Os estudantes tiveram acesso a textos de apoio como um trecho do artigo “O que é cinema”, de Jean-Claude Bernardet; um trecho do texto “O filme e a representação do real”, de C.F.Gutfreind; um infográfico do periódico “Meio e a Mensagem” sobre o percentual de brasileiros que frequentam as salas de cinema; e um trecho do texto “Cinema perto de você”, da Ancine.

João Pedro usou o filme “O Grande Ditador”, escrito, protagonizado e dirigido por Charles Chaplin para fazer um paralelo entre os anos 40 e 2019. Para o jovem, a ideia era trazer a importância sobre a população ter a consciência da gravidade do preconceito.

“Eu falei de Charlie Chaplin, que é um filme antigo, de 1940, chamado O Grande Ditador. É um filme que fala de preconceito, um tema que envolve a atualidade, que fala do antissemitismo, que é o preconceito contra os judeus, e eu tentei abordar isso e fazer um paralelo com a realidade, sobre como é importante a população ter a consciência do preconceito e da gravidade que é isso, e das consequências que isso já trouxe para humanidade”, disse o jovem.

Confira o rascunho da redação de João Pedro Silva Bonfim:

Foto: arquivo pessoal

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui