Reprodução

O pastor Robson Rodrigues, da igreja Shekiná de Guanambi, publicou um vídeo nesta terça-feira (14), convocado os evangélicos da cidade para realizar jejum e oração na Praça do Feijão, às 18h30 desta sexta-feira (17).

Atualização: Após repercussão, o pastor cancelou o atoApós repercussão, o pastor cancelou o ato

Durante o vídeo, o pastor afirma que fala em nome da Ordem de Ministros Evangélicos de Guanambi (Omeg). “Eu juntamente com a ordem de pastores convoco vocês para essa sexta-feira, às 18h30, estamos levantando o clamores ali na Praça do feijão e na Praça da Prefeitura”, afirma o pastor em vídeo.

O representante afirma que aqueles que atenderem ao chamado irão respeitar o limite de distanciamento social imposto pela gestão municipal. “Procure um lugar e vamos respeitar o espaçamento de 2 metros, 3 metros, 5 metros, se possível. Você fique a vontade, você que vai sair do seu trabalho ou está em casa, está convocado”, ressaltou Robson. A perspectiva é que seja 30 minutos e que sejam usados carros de som.

Em Guanambi, está suspensa a realização de eventos religiosos, culturais e esportivos até o dia 20. As cerimonias religiosas devem ser transmitidas apenas nas redes sociais e realizada com o mínimo de pessoas possíveis.

A Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Guanambi disse que não recebeu nenhum tipo de solicitação de uso do local público para a realização do evento. O pastor Robson disse que não poderia responder aos questionamentos da reportagem no momento.

No início desta tarde, o comandante do 17º Batalhão de Polícia Militar (17ºBPM, Ten. Cel Arthur Mascarenhas, encaminhou ofício ao Ministério Público da Bahia solicitando que sejam tomadas medidas judiciais para proibir a realização do ato.

O comandante disse que a polícia irá agir caso o evento seja mantido. “Caso não dê tempo para a concessão da liminar, a Polícia se fará presente impedindo o ato e apreenderemos todos os carros de som e eu irei representar criminalmente contra o Pastor Robson para esse ser processado por crime previsto no artigo 268 do Código Penal”, disse.

As medidas de isolamento social são consideradas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como forma impedir o aumento brusco do número de contaminados, pois o vírus tem grande possibilidades de contágio.

Em Guanambi não foram confirmados casos da doença. Em todo o Estado 807 pessoas foram contaminadas pela doença e 27 pessoas morreram. No País são 23.430 casos confirmados e 1.328 óbitos registrados pela Covid-19.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui