Imagem Ilustrativa

De janeiro a abril, 72 casos de dengues foram notificados em Guanambi. Destes, segundo a Secretária Municipal de Saúde, 10 casos foram confirmados da doença.

De acordo com os dados da Vigilância Epidemiológica, em 2019 foram 105 notificados e 19 casos confirmados. Ou seja, só no primeiro quadrimestre de 2020, o número de casos confirmados corresponde a 53% dos casos confirmados no ano anterior. Já as notificações correspondem a 68,5% do registrado em 2019.

O bairro Monte Pascoal tem o maior número de casos notificados (6 a 18 casos), em seguida o bairro Aroeira (4 a 5 casos) . Os bairros que tiveram entre 2 a 3 casos notificados foram – Brasília, Alto Caiçara, Beija Flor II, Belo Horizonte, Paraíso, São Francisco, Belo Horizonte, Vomitamel, Loteamento Municipal, Santa Luzia, Marabá, Lagoinha, Vila Nova, Conjunto Habitacional de Beneval, Novo Horizonte, Marabá, Vila Nova, Lagoinha e São João.

O Centro e os bairros Bom Jesus, Bela Vista, Sandoval Moraes, Santo Antônio, Alvorada, Ipanema 3 e Loteamento Gameleiras tiveram um caso notificado cada um.

Observatório do Semiárido da UniFG realiza o monitoramento das notificações

A Vigilância Epidemiológica informou à Agência Sertão que todos os pacientes notificados foram orientados à realização de teste, no entanto, cabe a  cada um ir ao Lacen de Guanambi. Portanto, não se pode afirmar que todos os casos notificados foram submetidos a teste e nem quantos tiveram resultado negativo.

A polução da cidade tem usado as redes sociais para reclamar e solicitar que sejam todas providências em relação ao acumulo de lixo e mato em terrenos. No entanto, muitos proprietários, até mesmo a gestão municipal não notificaram ou realizaram a limpeza desses locais propícios a proliferação do mosquito aedes aegypti.

Bahia

Os casos de doenças provocadas pelo mosquito aedes aegypti (dengue, zika e chikungunya) tiveram um aumento na Bahia e a preocupação maior é neste período de pandemia da Covid-19 (novo coronavírus).

Segundo o A Tarde, os casos de dengue na Bahia tiveram um aumento de 10,2%, no período de 29 de dezembro de 2019 a 6 de abril de 2020, comparando com igual período do ano anterior.

Foram notificados 16.570 casos prováveis da doença neste ano, contra 15.023, no ano passado. Ao todo, 308 municípios do estado registraram notificação e não há mortes por dengue.

Também no mesmo período, os casos prováveis de zika em todo o estado foram de 694 (em 2020) ante 564 (2019) – aumento de 23%. Pelo menos 62 municípios realizaram notificações para a doença, sem registro de morte. Não há casos prováveis de Zika em Salvador.

Casos de Chikungunya é mais grave. Foram registrados 3.764 casos prováveis. Os dados representam um aumento de 540,1% na comparação com o mesmo período do ano anterior, quando foram notificados 588.

No total, 121 municípios baianos registraram notificação para a doença, sendo que Salvador lidera o ranking no estado com 1.510 casos de Chikungunya e, até o momento, uma morte. Os dados fazem parte do Monitoramento dos Casos das Arboviroses na Bahia, da Secretaria de Saúde do Estado (Sesab).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui