Bahia

Ufba admite risco de suspender atividades em 2021

Publicado por
Joana Martins
Compartilhado

O governo federal reduziu o orçamento do Ministério da Educação (MEC) destinado às universidades públicas federais em 2021. Esse corte dos recursos afeta diretamente o funcionamento da Universidade Federal da Bahia (Ufba), principalmente às assistências estudantis. A instituição considera a pandemia como um agravante, momento onde há a necessidade de um auxílio mais amplo.

Segundo a Ufba, a dotação orçamentária na LOA disponibilizada para as despesas da universidade em 2021 é de R$132,81 milhões. Em comparação com o valor recebido em 2020, houve um corte de 18,7%, correspondente a R$ 30,49 milhões.

Os recursos atuais da Ufba são equivalentes ao orçamento de 2010, informou a instituição. Na época, foram destinados R$ 133,88 milhões para o custeio das atividades. “O número de alunos era menor que hoje, assim como todas as tarifas de água, luz, etc, o que dá uma ideia da gravidade da situação”, explica a assessoria.

A universidade afirmou ao site Metro 1, que vem enfrentando cortes orçamentários nos últimos anos, por isso se antecipou e vem adotando medidas de redução de consumo e readequação de contratos de serviços essenciais para evitar o fechamento. As economias também precisaram ser realizadas no investimento em assistência estudantil. Houve um corte de 20% em 2020. A política alcança 28.561 estudantes anualmente e, por conta desse grande contingente, o investimento por aluno está 57% abaixo da média nacional: R$ 1.291,46/ano. De acordo com a Ufba, a redução garante que benefícios relacionados a itens essenciais (moradia, alimentação e transporte) sejam mantidos aos 3.800 estudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

Além disso, a partir do mês de maio, a pró-reitoria de Assistência Estudantil e Ações Afirmativas (Proae) determinou, como solução emergencial, a redução das bolsas acadêmicas, com limite máximo de R$ 200/mês. Também decidiu pela redução do auxílio de apoio à inclusão digital e a manutenção do auxílio-transporte apenas para os estudantes que recebam somente esse benefício, além da suspensão, por tempo indeterminado, da concessão de auxílio financeiro para saúde e aquisição de material didático.

Para reverter a situação, a Ufba fará, no dia 18 de maio, o Ato Público “Educação, sim! Barbárie, não!”, contra o corte no orçamento e pelos investimentos do governo federal. A iniciativa alega “urgência” pela “recomposição orçamentária e investimentos que garantam o funcionamento de funções estatais relativas a políticas públicas, à educação e à saúde, à proteção da vida, aos direitos básicos de nosso povo e ao meio ambiente”.

UFRJ e outras faculdades correm o mesmo risco 

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) apresenta, em entrevista coletiva nesta quarta-feira (12), a situação orçamentária da instituição. A maior universidade federal do país afirma correr o risco de ter de fechar no meio do ano por falta de verba, segundo o G1.

A instituição não é a única a sofrer com a redução de recursos no país. Em 11 anos, o orçamento do MEC para as universidades federais caiu 37%.

Ao G1, o vice-reitor da UFRJ, Carlos Frederico Leão Rocha, afirmou que “não dá para manter” o funcionamento com o orçamento destinado. Em artigo no jornal “O Globo” na última quinta-feira (6), Rocha e a reitora Denise Pires de Carvalho escreveram que o funcionamento da universidade se tornaria inviável a partir de julho, após bloqueios de verba anunciados pelo governo federal.

Segundo dados da assessoria de imprensa da UFRJ, o orçamento discricionário da universidade caiu R$ 340 milhões em 10 anos: de R$ 639 milhões em 2011 para R$ 299 milhões em 2021.

Orçamento discricionário é a verba reservada para pagamentos com gastos como água, luz, segurança, estrutura física das unidades, além de alimentação e alojamento de alunos. Repasses obrigatórios, como para o pagamento de pessoal com salários, não entram nesta conta.

A universidade afirma ainda que, além do impacto pela inflação, houve aumento de vagas e da estrutura física da universidade. Ou seja, em vez de corte, seria necessário um aumento do orçamento.

Dos R$ 299 milhões reservados para 2021, ainda de acordo com a UFRJ, R$ 152,2 milhões ainda dependem de suplementação no Congresso Nacional. E, desse valor, R$ 41,1 milhões foram bloqueados pelo governo federal.

O total de investimentos da universidade para 2021, portanto, seria de R$ 258 milhões, valor equivalente ao orçamento de 2008.

Naquela época, a UFRJ tinha 34 mil alunos de graduação. Atualmente, são mais de 57 mil, ainda de acordo com dados da universidade.

Joana Martins
Publicado por
Joana Martins

Notícias recentes

Prefeitura de Salvador contratará cerca de 200 profissionais de saúde nos próximos dias

O prefeito de Salvador, Bruno Reis, anunciou nesta quarta-feira (26), que vai contratar mais 200…

Guanambi começa a vacinar crianças de 11 anos contra Covid-19 nesta quinta-feira

O município de Guanambi irá vacinar as crianças de 11 anos sem comorbidades contra a…

Prefeitura de Guanambi nomeou comissão para realização de concurso público com 100 vagas

O decreto de nomeação da Comissão Especial de Concurso Público para o preenchimento de vagas…

Prazo para regularização do Simples Nacional foi ampliado para 31 de março

Os donos de pequenos negócios que estão com débitos com o Fisco terão mais tempo…

Bamin abre mais de 30 vagas de emprego para Caetité, Jequié, Salvador e Ilhéus

A Bahia Mineração (Bamin) está ofertando 31 vagas de emprego em Caetité, Ilhéus, Jequié e…

Enchente histórica de 1992 em Guanambi completa 30 anos nesta quarta-feira

As chuvas intensas e enchentes assolaram muitos municípios baianos no fim de 2021 e trouxeram…