19.3 C
Guanambi
13.6 C
Vitória da Conquista

Colheita de algodão começa na Região de Guanambi com perspectiva de aumento da produção e produtividade

spot_img
- Advertisement -

Últimas Notícias

Tiago Marqueshttps://agenciasertao.com/
Tiago Marques é redator e editor do site Agência Sertão. Trabalha com produção de conteúdo noticioso para rádio e internet desde 2015.
- Advertisement -

A colheitadeiras de algodão já começaram a trabalhar nas lavouras da região Sudoeste da Bahia. A conclusão do ciclo veio um pouco antes do esperado, pela Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), graças ao clima.

De acordo com a entidade, as chuvas ajudaram no desenvolvimento da safra e pararam antes do esperado, favorecendo o início da colheita. O Sudoeste do estado responde por 5,94 mil hectares, do total de 307,65 mil ocupados por este cultivo na Bahia. A associação acredita que tanto produção quanto produtividade serão boas na safra 2021/2022.

No passado, o Sudoeste foi o grande polo produtor de algodão na Bahia, mas o posto foi perdido para o Oeste, onde se concentra o bioma do cerrado na Bahia. Na primeira, prevalece o cultivo pelos pequenos produtores, enquanto a segunda é marcada pela agricultura de porte empresarial. A soma da produção dos dois polos faz do estado o segundo maior produtor de algodão no Brasil.

De acordo com o presidente da Abapa, Luiz Carlos Bergamaschi, a manutenção e o fortalecimento da cotonicultura na região Sudoeste, que concentra municípios tradicionais como Guanambi e os situados no Vale do Iuiu, é uma das prioridades da Abapa.

“Através de programas de apoio aos pequenos produtores, lá disponibilizamos tecnologia e orientação técnica e monitoramento, que têm sido essenciais para o incremento da produtividade nas lavouras regionais. O maior exemplo disso é a distribuição de kits de irrigação para as famílias de produtores, que garantem a segurança hídrica para a safra”, explica.

O coordenador do Programa Fitossanitário da Abapa, Antonio Carlos Araújo, acrescenta que todos os municípios desta zona geográfica estão cobertos pela orientação técnica e monitoramento conferidos pela entidade, no escopo do programa e seus 18 núcleos estaduais.

“Acompanhamos muito de perto o desenvolvimento da lavoura e monitoramos a ocorrência de pragas. Na safra que começa a ser colhida os índices de pragas, como o bicudo-do-algodoeiro, e doenças estão baixos, e podemos antever que será um ciclo bom para a região”, conclui Araújo.

- Advertisement -
- Advertisement -

Relacionadas

Deixe uma resposta

- Advertisement -

Mais Lidas

- Advertisement -