25.4 C
Guanambi
19.3 C
Vitória da Conquista

IFBaiano obtém a carta-patente da extração de amido da pupunheira

- Advertisement -

Últimas Notícias

- Advertisement -




Pesquisadores do Instituto Federal Baiano (IF Baiano) de Uruçuca, receberam uma carta patente do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) pela invenção de um método que consegue extrair amido da pupunha, palmeira nativa da América do Sul e muito comum na região sul da Bahia.

A planta é utilizada para produção de palmito e, geralmente, o fruto é descartado. Com a descoberta, o material passou a ser utilizado também na produção de embalagens biodegradáveis.

A partir de experimentos com o fruto, professores e estudantes desenvolveram receitas como um vatapá a base de pupunha, bolos, biscoitos e doces. E durante este processo, foi notada uma grande concentração de amido na polpa do fruto.

O amido é farto em todos os vegetais, que utilizam a substância para nutrição e desenvolvimento. Por isso, ele é aproveitado por outras indústrias além da alimentícia.  “É um tipo de açúcar amplamente consumido não só na indústria de alimentos, mas cosméticos e fármacos. Esses comprimidos, quase todos eles têm uma quantidade de amido para dar cor. A gente pensou em quantificar a quantidade de amido que tem nesse fruto inicialmente e criar alternativa de se extrair esse amido”, disse o engenheiro de alimentos, Biano Alves.

De acordo com o engenheiro, a composição do produto nos materiais é mais benéfica à natureza e o amido passou a ser utilizado também na produção de sacolas plásticas. “O amido é utilizado em embalagens biodegradáveis há alguns anos. Algumas sacolas plásticas encontradas em supermercados têm amido na sua estrutura. A gente tentou dar essa aplicabilidade”, afirmou.

Angela Soares era estudante de tecnologia de alimentos quando os experimentos começaram, em 2010. Segundo ela, o trabalho era grande por causa da grande coloração e os pesquisadores conseguiram, depois de alguns métodos, conseguir extrair o amido da pasta-base do fruto.

“No início deu trabalho. Porque como o amido da pupunha é rica na coloração (ou é amarelado ou alaranjado), dava muito trabalho para tirar essa pigmentação. Nisso, os professores foram estudando algumas fórmulas e fomos colocando em prática no laboratório. Até que descobriu como retirar essa pigmentação e a gente conseguiu um resultado satisfatório. Atingimos, em 56 kg da pasta-base de pupunha, um quilo de amido. Isso nos experimentos iniciais”, contou.

Os pesquisadores já publicaram quatro artigos científicos internacionais, sendo um deles sobre o uso do amido na produção de embalagens biodegradáveis.

A expectativa é que ainda este ano o IF Baiano receba mais uma carta-patente sobre o processo do compósito biodegradável feito através da extração do amido da pupunha. O processo está na fase final. *Com informações do G1.

Confira a reportagem completa. 




- Advertisement -
- Advertisement -

Relacionadas

Deixe uma resposta

- Advertisement -

Mais Lidas

- Advertisement -