Tiago Marques | Redação 96FM

O Ministério Público Federal de Guanambi se reuniu nesta quinta-feira (27) com representantes de entidades não-governamentais para discutir sobre o episódio de contaminação de água por urânio em Lagoa Real. A procuradoria federal irá notificar a INB para que a mesma apresente relatórios sobre monitoramento da qualidade da água, solo e ar da região afetada pela atividade de mineração de urânio na Zona Rural de Caetité.

O Ministério Público também vai notificar a prefeitura de Lagoa Real, a Cerb, Inema e Embasa para que apresente todo a mapeamento de poços existentes no município. Representantes do órgão devem se integrar à força-tarefa do Governo do Estado que já está em andamento sob coordenação do INEMA. O objetivo é colher água de todos os poços para que sejam levadas para análise em São Paulo para verificar a presença de metais pesados.

Caso sejam constatadas irregularidades na atividade que tragam prejuízos a saúde da população, o MPF vai entrar com uma Ação Civil Pública conta a estatal. Os procuradores também querem ouvir o secretário de infraestrutura de Lagoa Real, que segundo a INB, teria sido informado por telefone sobre a contaminação na água do poço na comunidade de Varginha.

Ibama recebe Explicações do INB

O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) recebeu as explicações da Indústrias Nucleares do Brasil (INB) sobre o caso de contaminação de urânio em um poço no município de Lagoa Real, no sudoeste da Bahia. O órgão ambiental, o único responsável pelo licenciamento de material radioativo no País, deve se posicionar em breve sobre o caso, que poderá resultar em multa à INB por omissão de informação. A notificação foi feita ainda no sábado (22), logo após a publicação das reportagens.

Repúdio dos Vereadores às Matérias

Vereadores de Caetité aprovaram por unanimidade um Moção de Repúdio contra os Jornais O Estado de São Paulo e Correio da Bahia por difamarem o nome do município com as matérias. O jornalista André Borges participou do Mix 96 onde falou sobre o fato. O vereador Mário Rebolças (PCdoB) também participou do programa para reafirmar o repúdio à reportagem, mesmo tendo a mesma mobilizado diversos órgãos sobre o problema.

Foto Dida Sampaio –  Estadão

Deixe uma resposta