Reprodução

Tiago Marques

A Faculdade Guanambi divulgou uma nota à comunidade nesta quinta-feira, 04. O objetivo foi esclarecer a população sobre a veiculação da matéria que aborda uma suspeita de fraude na seleção do programa Mais Médicos, destinada a escolher uma instituição de ensino para ofertar o curso de medicina em Guanambi.

O jornal Estado de São Paulo publicou e vários outros veículos reproduziram a notícia. Alguns portais compartilharam e ilustraram a publicação com foto da FG, levando a entender à primeira vista que a suposta fraude teria sido em benefício da Instituição. Na nota, a Faculdade esclarece que não foi beneficiada, pelo contrário, teria sido desfavorecida em benefício da FIP-MOC (Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros). Segundo a reportagem, um funcionário do MEC teria trocado o parecer que classificava a Faculdade Guanambi por outro que desclassificava, isso na véspera da divulgação em 2015.

A seleção ficou suspensa por mais de um ano na Justiça, em outubro de 2016 a FIP-MOC foi oficializada como vencedora do edital para ofertar o curso através do Mais Médicos. Antes disso, no final de 2015, a Faculdade Guanambi conseguiu autorização para ofertar o mesmo curso. A Instituição já pleiteava junto ao MEC esta autorização antes mesmo do lançamento do programa Mais Médicos. O MEC havia negado a autorização, sob alegação que o município não teria a estrutura necessária para receber o curso. A FG alegou que seu pedido deveria ser aceito, pois já havia comprovado sua capacidade técnica e que havia um contrassenso na negativa, uma vez que o município passou a ser classificado apto com o advento do programa Mais Médicos.

Com estes argumentos, a Faculdade Guanambi conseguiu uma liminar na justiça para ofertar 40 vagas anuais no curso de Medicina. Logo em seguida foi realizado o vestibular e já são duas turmas em curso. A FIP-MOC comprou terreno, começou a obra e já planeja realizar o primeiro vestibular em Julho, a instituição está autorizada a ofertar até 80 vagas anuais.

VEJA MAIS SOBRE O CASO

Segundo o Jornal Estado de São Paulo, o Ministério da Educação abriu uma sindicância para apurar a suposta fraude. O jornal divulgou dois pareceres, um classificando a FG em primeiro lugar, com 23,1 pontos contra 16,6 da FIP-MOC, num universo de 25 pontos. O outro parecer desclassificava a FG alegando que a entidade não possuia capacidade econômico-financeira e regularidade jurídica e fiscal.  VEJA A NOTA

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Faculdade Guanambi esclarece aos estudantes e à comunidade do município de Guanambi que as denúncias veiculadas pela imprensa nos últimos dias não têm qualquer relação com nossa instituição.

Essas denúncias se referem às Faculdades Integradas Pitágoras (FipMoc), que tenta se instalar em nossa cidade com a intenção de abrir um curso de Medicina.

O curso de Medicina da Faculdade Guanambi, assim como os demais cursos, são reconhecidos por seu alto padrão de qualidade de ensino e comprometimento com o desenvolvimento de nossa cidade.

Anúncio

Deixe uma resposta